Projetos de pesquisa

Seguindo os pilares acadêmicos Ensino, Pesquisa e Extensão (Artigo 207 da Constituição Federal de 1988), o nosso ambulatório, como uma das partes em construção coletiva do Núcleo Trans Unifesp, compartilha uma lista resumida de seus projetos de pesquisa stritu senso e de pesquisação, para que você possa contribuir com sugestões dirigidas aos pesquisadores e ou coordenadores da pesquisa por e-mail.

 


Título do Projeto: A população transgênero sob o olhar da bioética de proteção: um panorama dos currículos de graduação e dos cursos de bioética das escolas médicas do Estado de São Paulo

Pesquisador responsável: Matheus Ghossain Barbosa (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.), Médico Residente em Psiquiatria, UNIFESP.

Orientador: Prof. Dr. Magnus R. Dias da Silva

Co-orientador: Prof. Dr. Aluísio Marçal de Barros Seródio

Financiamento: Centro de Bioética do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, CREMESP.

Resumo:

Justificativa: Pessoas transgênero constituem um grupo de risco para situações de discriminação e adoecimento devido a marginalização social e a falta de acesso a direitos básicos, em especial a saúde. Sofrem com a inadequação do atendimento voltado a demandas básicas de saúde, alta incidência de doenças e com o não atendimento de demandas específicas. A vulnerabilidade dessas pessoas atinge um nível alarmante graças a  atitudes desrespeitosas que levam os pacientes a não buscar ajuda. Entendendo que uma educação médica voltada às necessidades das populações marginalizadas constitui a base para a melhoria do acesso e assistência adequada, é essencial que as escolas médicas definam conteúdos e estratégias pedagógicas voltados a grupos vulnerados. Pretendemos, através disso, oferecer subsídio científico para que a população trans possa ter uma assistência à saúde mais eficiente e respeitosa. Objetivo: Investigar e discutir como (e se) a temática da assistência à população trans está inserida no currículo de graduação das escolas médicas do estado de São Paulo. Procedimentos Metodológicos: Estudo exploratório, descritivo-analítico em duas etapas, sendo a primeira de pesquisa documental da inserção da temática trans nos currículos de graduação em medicina do Estado de São Paulo, e a segunda de pesquisa com os coordenadores dos cursos de Bioética dessas instituições, aplicando um questionário para avaliar como e se o tema é abordado. Os dados obtidos na primeira etapa serão analisados quantitativamente e apresentados através das frequências relativas das características avaliadas. Os dados obtidos na segunda etapa serão analisados por um método estatístico descritivo (perguntas fechadas) e pelo método de Análise de Conteúdo (perguntas abertas). Discussão: Os resultados obtidos serão discutidos sob o enfoque da Bioética de Proteção, sendo trabalhados os problemas éticos encontrados no cotidiano da atenção a saúde trans. A partir disso, serão elaboradas propostas para a melhoria do cenário de ensino e assistência as pessoas transgênero.

Palavras-chaves: Transgêneros, LGBT, Vulnerabilidade, Educação Médica, Bioética de Proteção.

 


 

Título da dissertação de Mestrado: Corpo Múltiplo Trans: Praxiografia de cuidado

 

Pesquisador Responsável: Lúcio Costa Girotto (Mestre em Ciências, doutorando em Saúde Coletiva - UNIFESP)

Orientador: Prof. Dr. Pedro Paulo Gomes Pereira
Coorientadora: Profa. Dra. Cristiane Gonçalves da Silva

Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva - Universidade Federal de São Paulo

Financiamento: Bolsa Mestrado Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

Justificativa: A transexulidade é um corpo múltiplo, que não se sustenta em objetivos concisos, em nosologias psicológicas, endocrinológicas e cirúrgicas claras. As práticas de saúde entre profissionais, pessoas trans e tecnologias performam múltiplas corporalidades trans. Em tensão ou alianças, mas nunca fechadas e com fins últimos. A transexualidade aqui não se configura como doença, mas exige intervenções e práticas de cuidado. Objetivo: O objetivo dessa dissertação foi descrever as práticas de cuidado nos encontros entre profissionais, pessoas trans e travestis e tecnologias no ambulatório de atenção integral à pessoa trans da Universidade Federal de São Paulo. Método: Usamos o método da praxiografia, que possibilitou descrever múltiplas realidades produzidas nas e pelas práticas. Foram descritos encontros: da enfermagem, assistência social, fonoaudiologia, da prática da psicologia na construção de um documento para retificação de nome. Também foram descritas as práticas de mamoplastia masculinizadora e o caminho de um corpo mútliplo trans intersexo.Resultados e discussão: Foram resultados múltiplos desta dissertação que tentou descrever um corpo múltiplo trans, que não tem começo nem fim. Não se completa em somas nem em dicotomias. Está sempre aberto aos encontros com disciplinas e às singularidades das vidas singulares.

Palavras-chave: Processo transexualizador, transexualidade, profissionais de saúde; cuidado em saúde; praxiografia; etnografia.

Vigência: Finalizado (Março de 2017 - Janeiro 2019)

 


A FAMÍLIA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR: ANÁLISE SOB A LUZ DA TEORIA DE MADELEINE LEININGER

Denise Garrido de Carvalho Braz [1]

Maycon Barros Reis 2

Hugo Fernandes 2

Ana Lúcia de Moraes Horta 3

 

RESUMO

 

Introdução: Pessoas transgêneros (trans), são aquelas que identificam seu gênero diferente do gênero de biológico do nascimento. As famílias de pessoas trans podem ser afetadas, sofrerem mudanças estruturais e dinâmicas durante o processo de transexualização, devendo ser igualmente assistidas por profissionais de saúde, especialmente enfermeiros, visto ser um processo longo, que alude em redesignações físicas e sociais, além de implicar em novas demandas de cuidado. Objetivo: analisar as vivencias familiares durante o processo transexualizador e identificar as demandas das famílias à luz da teoria do cuidado transcultural de Madeleine Leininger. Método: Estudo descritivo de abordagem qualitativa, realizado com 10 famílias no período de janeiro à dezembro de 2018. A análise de conteúdo foi usada como técnica analítica. Resultado No processo de análise das narrativas foram identificadas cinco categorias temáticas: “mudanças do corpo como vivência de todos”, “medo do preconceito e da violência”, “busca de escuta e tratamento especializado”, “reconstrução de ideias e valores” e “respeito, tolerância e zelo como cuidado”. Conclusão: As famílias de pessoas em processo de transição de gênero apresentam mudanças de comportamento e valores, enfrentam preconceitos e aprendem a cuidar do ente em transição. As dificuldades são enfrentadas com a busca de ajuda especializada e exercitando a cidadania no próprio sistema familiar.

Palavras-chave: Saúde da Família. Relações interpessoais. Enfermagem. Identidade de gênero. Transexualismo.

 


[1] Psicóloga. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Família e Comunidade – GEPFAC – UNIFESP

2 Departamento de Saúde Coletiva. Escola Paulista de enfermagem. UNIFESP

3 Orientadora. Professor Associada. Departamento de Saúde Coletiva. Escola Paulista de Enfermagem. UNIFESP.