Projetos de pesquisa

Seguindo os pilares acadêmicos Ensino, Pesquisa e Extensão (Artigo 207 da Constituição Federal de 1988), o nosso ambulatório, como uma das partes em construção coletiva do Núcleo Trans Unifesp, compartilha uma lista resumida de seus projetos de pesquisa stritu senso e de pesquisação, para que você possa contribuir com sugestões dirigidas aos pesquisadores e ou coordenadores da pesquisa por e-mail.

Título do Projeto: A população transgênero sob o olhar da bioética de proteção: um panorama dos currículos de graduação e dos cursos de bioética das escolas médicas do Estado de São Paulo

Normal 0 false false false PT-BR JA X-NONE

 

/* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Table Normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0in 5.4pt 0in 5.4pt; mso-para-margin:0in; mso-para-margin-bottom:.0001pt; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:Arial; color:black; mso-ansi-language:PT-BR; mso-fareast-language:PT-BR;}

 

Pesquisador responsável: Matheus Ghossain Barbosa (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.), Médico Residente em Psiquiatria, UNIFESP.

Orientador: Prof. Dr. Magnus R. Dias da Silva

Co-orientador: Prof. Dr. Aluísio Marçal de Barros Seródio

Financiamento: Centro de Bioética do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, CREMESP.

Resumo:

Justificativa: Pessoas transgênero constituem um grupo de risco para situações de discriminação e adoecimento devido a marginalização social e a falta de acesso a direitos básicos, em especial a saúde. Sofrem com a inadequação do atendimento voltado a demandas básicas de saúde, alta incidência de doenças e com o não atendimento de demandas específicas. A vulnerabilidade dessas pessoas atinge um nível alarmante graças a  atitudes desrespeitosas que levam os pacientes a não buscar ajuda. Entendendo que uma educação médica voltada às necessidades das populações marginalizadas constitui a base para a melhoria do acesso e assistência adequada, é essencial que as escolas médicas definam conteúdos e estratégias pedagógicas voltados a grupos vulnerados. Pretendemos, através disso, oferecer subsídio científico para que a população trans possa ter uma assistência à saúde mais eficiente e respeitosa. Objetivo: Investigar e discutir como (e se) a temática da assistência à população trans está inserida no currículo de graduação das escolas médicas do estado de São Paulo. Procedimentos Metodológicos: Estudo exploratório, descritivo-analítico em duas etapas, sendo a primeira de pesquisa documental da inserção da temática trans nos currículos de graduação em medicina do Estado de São Paulo, e a segunda de pesquisa com os coordenadores dos cursos de Bioética dessas instituições, aplicando um questionário para avaliar como e se o tema é abordado. Os dados obtidos na primeira etapa serão analisados quantitativamente e apresentados através das frequências relativas das características avaliadas. Os dados obtidos na segunda etapa serão analisados por um método estatístico descritivo (perguntas fechadas) e pelo método de Análise de Conteúdo (perguntas abertas). Discussão: Os resultados obtidos serão discutidos sob o enfoque da Bioética de Proteção, sendo trabalhados os problemas éticos encontrados no cotidiano da atenção a saúde trans. A partir disso, serão elaboradas propostas para a melhoria do cenário de ensino e assistência as pessoas transgênero.

Palavras-chaves: Transgêneros, LGBT, Vulnerabilidade, Educação Médica, Bioética de Proteção.